BRASIL, Sudeste, BELO HORIZONTE, PAMPULHA, Mulher, Portuguese, English, Livros, Livros, FUTEBOL
Outro -

 

    UOL - O melhor conteúdo
  hospital do cancer de Barretos
  defesa do consumidor/planos de saúde
  sistema único de saúde
  instituto nacional de controle do câncer
  câncer de mama
  revista eletrônica reforme/kitnet
  ESPAÇO DE VIDA
  PORTAL INANA


 

 
 

   

   


 
 
Câncer de Mama



TUDO DE BOM HUMOR SOBRE O CÂNCER DE MAMA

SUTIÃ E CÂNCER DE MAMA.

 

NÉ BRINQUEDO NÃO!!

Essa mensagem veio para mim em e-mails e conversas em meados de abril. Alguns me avisavam do perigo do sutiã, alguns me perguntavam se eu sabia alguma coisa sobre o assunto, o que eu achava, se realmente a cor do sutiã provocava câncer!

Brincadeira??  Infelizmente, não! Tal como uma peste, esta mensagem se espalhou aqui e ali e deixou muitas mulheres temerosas, amedrontadas.

E agora eu lhe pergunto:

_ O que você acha que uma mensagem como esta faz com a cabeça de quem teve câncer, está tratando um câncer, recebeu um diagnóstico de câncer ou acabou de achar um caroço na mama???

Num dos e-mails, uma mulher que teve câncer de mama, perguntava apavorada:

_ E as mulheres que usam as faixas e luvas de compressão na mama e no braço do lado operado?

Outra, num site sobre câncer de mama,  pede desesperada que lhe dêem informações sobre o assunto.

Eu não entrei em pânico porque cai matando no Lexotan. Estava tão tensa que dormia rangendo os dentes. E fiz o que todos devem fazer com mensagens como esta: pesquisar, buscar respostas científicas, ir a fontes seguras.

A tranqüilidade voltou, mas se eu disser que não tive medo, não me abalei, é mentira! Como diz um dito popular: só não sujei as calças porque não tinha merda pronta!

SÓ PARA RELAXAR:

 

  • A COR DO SUTIÃ MATA... os homens de tesão, principalmente o vermelho, o preto, a oncinha.
  • Ficar sem sutiã, é um atentado contra a lei da gravidade = peitos caídos!
  • Sutiã apertado demais não é bom... e qual é a novidade? Nada apertado é bom! Bem, algumas coisas apertadas são boas né? Imagine um aperto com Antônio Bandeiras, Brad Pitt ou com o lindinho Santoro!
  • Peito pequeno sem sutiã não altera a gravidade: caem os biquinhos!
  • Seios grandes, sutiã reforçado; pequenos, sutiã acolchoados ou recheados com silicone.
  • Se você está sem uma mama: reconstrução! É lei e feita pelo SUS.
  • Sem as duas mamas? Dupla reconstrução!!
  • Sem mama e feliz! Fantástico! Parabéns!

 

PARA FINALIZAR, PENSE E RESPONDA:

_ Será que cueca apertada dá câncer de próstata?

Acho um ótimo jeito para queimar a gordura do cérebro da dupla Syd e Soma, que acharam a relação do sutiã com o câncer de mama e estão faturando alto com a venda do livreto por eles publicado, sem  a comprovação científica do dito achado.  Um abração. Marina da Silva



Escrito por Marina da Silva às 19h11
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TUDO DE BOM HUMOR SOBRE O CANCER DE MAMA. 1ª parte.

SUTIÃ E CÂNCER DE MAMA?????

 

Caros amigos,

Fiz algumas pesquisas em institutos de controle do câncer no Brasil (INCA), nos EUA (National Câncer Institute), França (www.cancer.fr), Canadá (www.cancer.ca). Não há nenhuma menção, nadica de nada sobre a dupla, Syd e Soma.

Achei a publicação abaixo que explica onde, quando e como surgiu o boato sobre câncer de mama e sutiã. Repasso pela seriedade e confiabilidade e porque chequei as informações. FAÇO MEUS OS CONSELHOS DA REPORTAGEM. Leia com atenção! Beijo. Marina da Silva.

CONSELLHO: Quer saber se pesquisei mesmo? Entre nos sites acima. E sobre a reportagem? Entre no site http://observatorio.ultimosegundo.ig.com.br . Seja um são Tome! Leia e pesquise e veja para crer! bj. Marina

 



Escrito por Marina da Silva às 19h29
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




Desinformando o público: o câncer e o sutiã

Por Alexandre Taschetto de Castro em 1/3/2005

No ano passado, o jornal O Globo lançou uma revista de variedades em sua edição dominical. Fato raro no jornalismo brasileiro, a revista mantém duas seções regulares sobre ciência ("Ciência e Vida", com um artigo longo, e "Eureka", com notas curtas), merecendo um crédito positivo por isso. Mas a matéria de capa da edição de 20 de fevereiro revelou que a qualidade do jornalismo científico desta revista não é tão alta quanto parecia. Com o título "Sutiã eleva o risco de câncer?", a reportagem apresenta uma suposta polêmica causada por um estudo realizado por uma dupla de pesquisadores americanos, Sydney Ross Singer e sua mulher, Soma Grismaijer. Segundo eles, o uso do sutiã elevaria significativamente o risco de uma mulher desenvolver câncer de mama e a incidência de câncer de mama em mulheres que não usam sutiã seria tão baixa quanto em homens. Razão suficiente para que todas as mulheres queimem seus sutiãs... se isso não fosse um clássico exemplo de pseudociência, ou seja, ciência de mentirinha. Em primeiro lugar, não há polêmica alguma. Lendo a matéria, você terá a impressão de que esta é uma teoria recente, sendo ativamente debatida. Não é. A teoria de Singer, descrita no livro Dressed to Kill: the link between breast cancer and bras, foi lançada em 1995 e não teve absolutamente nenhuma repercussão na comunidade médica. Uma simples pesquisa no banco de dados Medline (http://medlineplus.gov/), a principal referência para estudos médicos, não revela nenhum estudo abordando este assunto, nem mesmo de autoria destes supostos pesquisadores. Isto porque Singer nunca publicou seu "revolucionário" estudo em nenhuma revista científica, onde ele poderia ser analisado e criticado por outros cientistas. Como é comum entre pseudocientistas, Singer publicou suas teorias fantásticas (existem outras) apenas em livros destinados ao público leigo, onde a falta de conhecimentos específicos sobre os assuntos em questão é garantia de destaque e retorno financeiro. Prova de que essa estratégia funciona foi a atenção dada a este mito pelos jornalistas do Globo, em detrimento da multidão de estudos científicos sérios sobre o assunto. Em dado ponto da matéria, é dito que Singer e sua esposa fazem campanhas nos EUA e no Canadá incentivando o abandono do sutiã, seguido pela revelação de que o Canadá conseguiu reduzir em 23% a incidência de câncer de mama desde 1986. Desta forma, o texto deixa a clara impressão de que o sucesso canadense tem algo a ver com a idéia de Singer. Mais uma vez, nem perto da verdade. Se os autores do texto tivessem tido o trabalho de entrar no site da Sociedade Canadense do Câncer (www.cancer.ca), eles teriam lido o seguinte, na seção de mitos sobre o câncer: "Neste momento, não existe nenhuma evidência científica confiável que mostre uma ligação entre o uso do sutiã e o desenvolvimento de câncer de mama. Se estudos corretamente planejados e revisados forem realizados sobre este assunto, a Sociedade Canadense do Câncer revisará a pesquisa e seus resultados." Ou seja, talvez algum dia uma pesquisa realmente científica acabe descobrindo uma relação entre sutiãs e o câncer de mama, mas por enquanto isto é apenas uma jogada de marketing para ajudar Singer e a mulher a vender livros.

 



Escrito por Marina da Silva às 19h28
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




TUDO DE BOM HUMOR SOBRE O CÂNCER DE MAMA

Continuação. 2ª parte.

Não durma na horizontal

Mas espere um pouco... a matéria diz que Singer é Ph.D. em Bioquímica e Antropologia, com especialização em "medicina humana" (existe outra medicina?). Com certeza, isto é um currículo respeitável... ou seria, se fosse verdade. De acordo com o próprio Singer, que informa sua biografia no site do "Instituto para o Estudo de Doenças Culturogênicas" [o "centro de pesquisas" fundado por Singer e a mulher (www.selfstudycenter.org)], podemos ler que ele realmente estudou dois anos no programa de pós-graduação em Antropologia da Universidade de Duke e mais dois no programa de Bioquímica, mas recebeu apenas o diploma de mestrado. Depois disso, ele estudou um ano no programa de "medical humanities" na Universidade do Texas – o que pode ser a origem do estranho termo "medicina humana" encontrado no texto – e recebeu mais dois anos de treinamento médico não especificado. Ou seja, Singer realmente tem alguma formação científica, mas não tão impressionante quanto o texto indica. E, ao contrário do que a descrição apresentada pelos jornalistas do Globo pode sugerir, ele não tem nenhuma associação com essas universidades. A única instituição "acadêmica" com a qual Singer está associado é o seu próprio instituto, cuja equipe de pesquisadores se limita a Singer e esposa. Independente do currículo de Singer, o mérito de suas teorias deve ser analisado imparcialmente. O problema é que para que outros cientistas possam fazer isso ele deveria apresentá-las, junto com os dados a partir dos quais tira suas conclusões, em publicações ou conferências científicas. Já que isso não acontece, devemos todos acreditar na palavra de Singer (como fizeram os jornalistas responsáveis pelo texto)? Será que Singer pelo menos tem alguma pesquisa coerente que lhe dê algum crédito? Bem, julgue você mesmo. No site de seu instituto, Singer defende, por exemplo, que o hábito de dormir na horizontal causa edema cerebral crônico, podendo levar a enxaquecas, glaucoma e apnéia do sono. Outras condições supostamente evitáveis por simples mudanças de hábito incluem, segundo Singer, o mal de Alzheimer, impotência, diverticulite, pedras nos rins, infecções urinárias, síndrome pré-menstrual, derrames, aumento do tamanho da próstata, os inconvenientes da menopausa, displasia cervical e Sids (Sudden Infant Death Syndrome - morte súbita infantil). Mais uma vez, todo este suposto e revolucionário conhecimento não foi digno de um único artigo científico.

Apelação gratuita Aliás, a temática de mercado está bastante presente no site. Se você não estiver satisfeito em gastar seu dinheiro comprando os quatro livros de Singer, ele lhe dá a opção de fazer doações para ajudar a financiar seus estudos. Mais uma vez, vemos um comportamento típico de pseudocientistas – cientistas buscam recursos em instituições de fomento que têm o inconveniente hábito de avaliar rigorosamente as pesquisas propostas antes de financiá-las, bem como os resultados obtidos pelos estudos contemplados. Mesmo que você opte por doar 10 mil dólares à instituição de Singer (esta é uma das opções disponíveis, que o qualificará como "santo"...), não espere receber um relatório técnico com os resultados da pesquisa (também não adianta visitá-la – a instituição não tem endereço, apenas uma caixa postal). Ainda mais que o "Self-Study Center" (outro nome da instituição de Singer) é "projetado para ajudar o doador a realizar sua própria pesquisa pessoal, em si mesmo. Estes são chamados Self Studies. Eles são seguros e sem custos, e seus resultados são auto-evidentes e dramáticos". Mas se esses estudos não têm custos... O pior de tudo é que esta apelação gratuita a um mito como forma de chamar a atenção do leitor era totalmente desnecessária. Quando não está espalhando boatos sem fundamento, a matéria da Revista do Globo traz boas informações sobre o câncer de mama, um assunto importante o suficiente para não precisar deste tipo de artifício. Mais grave ainda, este é um assunto em que a informação correta é fundamental para a prevenção e diagnóstico precoce. Numa sociedade em que a maioria tem acesso limitado à informação, a última coisa de que precisamos é que um dos principais jornais do país espalhe a desinformação

 



Escrito por Marina da Silva às 19h19
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]





[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]